Imagens

Divercidade

Compartilhe

Curitiba, 2015

A Rua Barão do Cerro Azul, alinhada à Avenida Cândido de Abreu, é a conexão natural entre o eixo cívico estadual e o marco zero da capital paranaense.

Sua importância simbólica para Curitiba vem dos tempos da fundação da cidade. Inicialmente chamada de Rua da Nogueira, essa via conectava a praça principal da cidade à antiga estrada da Marinha, ou Estrada da Graciosa, integrando o planalto ao litoral paranaense.

Por conta disso, entende-se que o cruzamento dessa via com a Rua do São Francisco, em função da sua proximidade com a Praça Tiradentes, constitui-se de elemento articulador entre as diversas épocas vividas pela capital.

Interpretando a via pública como local importante para o convívio dos cidadãos, a presente proposta de pavimentação propõe o resgate do espaço público do pedestre, como metáfora da própria qualidade de vida na cidade.

O cruzamento é desenhado como local de segurança para o transeunte.

Para isso, propõe-se a extensão natural do piso de paralelepípedos que inicia no Largo da Ordem conectando-o ao pavimento da Rua do São Francisco. Esse trecho ampliado de travessia elevada torna-se então uma praça protegida, onde os veículos devem reduzir sua velocidade e a sinalização orienta os fluxos.

Nas calçadas entre a Travessa Nestor de Castro e a Rua 13 de Maio propõe-se um piso em padrão linear executado em pedra portuguesa preta e branca. O desenho limpo e de fácil leitura tem a intenção de gerar referência visual de continuidade no nível do pedestre e ao mesmo tempo contrastar com o excesso de informação provocado pela poluição visual e descontinuidade morfológica das fachadas dos edifícios.

 

Autores

Emerson Vidigal
Eron Costin
Fabio Henrique Faria
João Gabriel Moura Rosa Cordeiro
Martin Kaufer Goic

 

Colaboradores

Marcelo Miotto

Translate »
Translate